Depressão

 

“A depressão, provavelmente um dos estágios mais desconfortáveis do luto, pode ser debilitante. Porém, não só é uma reação normal a um divórcio, como também é uma reação saudável. Qualquer pessoa que não sinta alguma tristeza após esse tipo de perda (mesmo quando todos os envolvidos veem como uma mudança para melhor) ou não estava comprometida com o casamento a princípio, ou não está sensível às suas emoções.

As pessoas geralmente tentam evitar sentir uma tristeza profunda, e, quando a sentem, tentam controlar o tempo que vai durar. Um dos aspectos mais difíceis do luto em geral e da depressão em particular é não saber quanto tempo vai durar. Com frequência, ouço as pessoas dizerem: “Eu devia superar isso agora”.

Mas não funciona dessa forma. A depressão acaba quando acabar, não quando você achar que já sofreu o suficiente. Ela passará, mas às vezes parece uma eternidade. Compreender que a depressão é uma parte necessária da cura pode ajudá-lo a lidar com o desconforto.

Ainda assim, é comum começar a sentir-se melhor e, então, ser lançado de volta à depressão depois de encontrar um velho amigo em comum, ouvir a canção “de vocês” no rádio, ou perceber que o aniversário do cônjuge passou. Quando isso acontece, não significa que algo esteja errado, apenas indica que você não parou de sentir saudades. Seja gentil com você mesmo.

Se você está tentando distrair-se ou forçar-se a se sentir melhor, tenha em mente que, na mesma proporção em que não se permite sentir sua tristeza, você impede a si próprio de sentir todas as emoções. Além disso, vocês está simplesmente prolongando o inevitável. Essas emoções profundas de tristeza precisam ser sentidas para que passem”.

Susan Pease Gadoua – Mais forte a cada dia

About The Author

Dani Teixeira

Formada e pós-graduada em algo que nunca lhe deu prazer. Conheceu o coaching, enfrentou um divórcio complicado, abandonou a advocacia no serviço público, fundou a Reconstruindo Histórias e passou a trabalhar apenas com o que ama: ajudar outras pessoas a reconstruírem suas histórias. Hoje é Master Coach, Analista Comportamental e Membro da SLAC – Sociedade Latino Americana de Coaching.

Ei! Participe deixando seu comentário! Não custa nada... :o)